Pesquisar este blog

domingo, setembro 22, 2019

TRADIÇÕES RELIGIOSAS NA MATRIZ AFRO BRASILEIRA


E o que é uma tradição religiosa? Eu tenho um bom texto para isso nesse blog, onde isso é explicado em detalhe, mas, considere que a tradição religiosa é o resultado da localização de um culto religioso de determinada religião (vamos ver isso à frente). Essa localização consistem em unir a religião e seu culto (teologia e teogonia) à sociedade, seus hábitos, sua história, sua forma de se relacionar, seus valores, às influências regionais de comportamento, à cultura local, à história e às influências de sincretismo. 
Tudo isso junto forma uma tradição religiosa. 
A junção disso tudo cria uma determinada forma de se entender e praticar a religião e o culto para um determinado povo e formata a prática da religião, seus ritos, cultos e liturgias.
Dessa maneira a tradição religiosa é a presença da prática de uma religião junto a um povo.
Uma tradição religiosa é uma evolução da religião, é uma especialização da religião, uma melhoria.
Não estamos aqui no Brasil subordinados e muito menor ligados às tradições religiosas africanas. O que têm lá é a tradição religiosa deles, africanos da Nigéria ou Benin. Eles fazem lá do jeito que eles querem fazer e não temos que ser iguais a eles.
O que nos une é a religião comum e a religião esta acima da tradição.
Como já expliquei, esqueçam a relevância do conceito de "Nação de Candomblé". Não tem relevância religiosa nenhuma, é apenas uma forma de grupos internos de casas se auto-denominarem.
A identificação dos grupos, aqui no Brasil, se faz pela identificação com uma raiz religiosa e com o culto a um conjunto de divindades, configurando a adesão a uma teogonia, teologia e liturgia.
A Tradição Religiosa é que é a formatação da prática religiosa. 
Dentro da tradição as casas podem se organizar como quiserem, podem usar as tais denominações metaétinicas, como era feito no passado (como explicado no texto anterior sobre matriz religiosa afro-brasileira). 
Em relação às tradições religiosas, minha forma de ver isso é a seguinte:

Raiz religiosa JEJE:
  1. Tambor-de-mina (MA, PA)
  2. Candomblé Jeje (BA, RJ)

Raiz religiosa Yorùbá
  1. Xangô ou Nagô (PE)
  2. Batuque (RS)
  3. Candomblé Ketu (BA, RJ, SP)
  4. Culto egungun (BA)

Observem que não incluí o culto de Ifá neste contexto. 
A razão é que não existe uma tradição religiosa de Ifá no Brasil. O que existe são tradições religiosas vinda de Cuba e da Nigéria que se estabelecem aqui da sua forma original sem qualquer tipo de adaptação e ligadas aos seus cultos de orixá (Òrìṣà) originais. Isso não é uma tradição religiosa da matriz afro-brasileira. Dessa maneira NÃO TEMOS tradição religiosa de Ifá na matriz afro-brasileira.
O que existe aqui são, repito, os cubanos e nigerianos fazendo o que fazem na suas terras de origem e um monte de brasileiros repetindo as macaquices deles

Para ter uma tradição de Ifá na matriz afro-brasileira será necessário aos brasileiros criarem essa tradição, ligando Ifá às tradições de orixá e vodun. Assim o Ifá terá que ser integrado a forma como orixá e vodun são entendidos e praticados no Batuque, no Candomblé Ketu, no Candomblé Jeje, no Tambor da mina e no Xango, se quiser ser uma tradição religiosa afro-brasileira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário