Pesquisar este blog

quinta-feira, maio 31, 2012

Qual a finalidade de um Xirê?

Antes de abordar este assunto eu comento à meia dúzia de leitores do blog que este texto sobre Búzios foi de fato uma revisão de um texto já publicado. Considero que agora ficou muito melhor.

Outros textos serão republicados. São assuntos importantes que já foram publicados há algum tempo e que merecem voltar a tona junto com uma revisão e atualização. Assim, não pensem que e falta de assunto, é um trabalho de melhoramento que compartilho através deste blog.

Lembro também que o assunto Exu no candomblé não se encerrou. Ainda vou continuar. Eu só publiquei um texto dizendo o que não é exu no candomblé. Agora vou publicar um que é a minha posição sobre o que é exu. O interessante é que quando inicio um assunto aqui, de repente surgem publicações em outros lugares sobre o mesmo tema. Muita coincidência...

Mas o chato mesmo é ver textos que são publicados aqui serem reproduzidos por outros sem a menor cerimônia e sem fazer qualquer referência à fonte. Claro que não existe controle sobre textos postados na rede, e a finalidade é informar às pessoas, contudo isso não significa que seja correto as pessoas copiarem e publicarem como se fossem delas. Qualquer um pode ver um tema e fazer a sua versão, é que eu faço e, claro, que consulto muitas fontes, mas o que escrevo é original e eu procuro fazer referência da fonte qando faço uma transcrição. Se é um texto online o justo é publicar  o link e fazer seus comentários e complementos, mas, preservando a integridade da fonte.

Mas vamos ao que interessa que é falar sobre o Xirê. Eu não posso deixar de comentar o que me motivou a escrever esse pequeno texto. Tenho um livro chamado, o Candomblé bem explicado. Quando comprei eu gostei bastante, até recomendei, mas, lendo direito todo ele, a gente ve que é apenas o Candomblé mal explicado. Foi o caso do Xirê. Assim ou a pessoa não sabe ou não quer explicar.

O Xirê é o nome que se dá ao procedimento de se tocar e danças para todos os Orixá que compõe o grupo dos mais cultuados. É um movimento muito plastico e alegre porque cada Orixá tem danças próprias. Ele ocorre em um Candomblé, que é o nome dado a ocasiao festiva quando uma casa recebe pessoas de fora e toca para os Orixás fazendo o Xirê. 

Assim temos duas coisas. O Candomblé que é a ocasião ou a festa e o Xirê que é a sequencia de danças feitas pelo corpo da casa e que vai de Exu a Oxalá, como a gente costuma falar. No fim um é quase um sinônimo do outro. "vou tocar um candomblé" ou "vou fazer um xirê" são expressões equivalentes.

No Candomble cada Orixá tem cantigas especiais para ele. Também tem toques de atabaque especiais para ele, mais de um tipo. E tem danças associadas a ele e suas cantigas. Conhecer as cantigas, toques e danças é uma ciência. Saber quando usá-las mais ainda. Um xirê dura entre 2 a 4 horas dependendo a boa vontade de quem faz. É um pouco cansativo para quem assiste mas se bem executado é um momento muito bonito, porque as cantigas são simples, mas muito bonitas, os atabaques de candomblé são um espetáculo especial e claro as danças são um momento mágico.

Eu conheci as danças Hawaianas nas vezes que estive no Hawaii, são sem dúvidas muito especiais mas lembram muito o candomblé. Cada dança é uma história ou conta uma história. Aliás certos aspectos da religião deles também lembra.

Mas além de ser um momento plastico e alegre, o Xirê tem um sentido liturgico e filosófico.

É um dança circular, como as que existem em muitas religiões. Liturgicamente falando o Xirê é o momento em que uma casa distribui o seu axé por entre todos os presentes. Uma casa de candomblé tem muitas atividades que geram axé através da transmutação de matéria em energia. Normalmente quando se vai fazer um Xire existe uma preparação liturgica que gera mais axé ainda. Assim, durante o xirê, através do movimento, da dança e dos atabaques os Orixás se fazem presente e distribuem o axé da casa por todos os presentes.

Participar de um Candomblé mesmo como "assistência" é a oportunidade para você ser abençado, ser atendido em seus pedidos e necessidades, de repor o axé que perdeu. Ele vai levar suas mazelas, sua negatividade e te repor com energia positiva. Este é o sentido da presença dos Orixá na terra.

O Xirê é o portal que os traz e que permite que eles distribuam axé para as pessoas que lhes são caras.

Outro aspecto é que esta religião tem como dogma que a nossa presença nesta vida é para sermos felizes! Não nascemos para sofrer e nem para ser infelizes. Não estamos aqui com culpa ou pagando por erros, vivemos para ser felizes com as pessoas que gostamos.

Os Orixás são enviados de Olodumare, o deus supremo Yoruba, para nos ajudar a ser felizes. Os Orixás estão na terra para nos ajudar nas nossas dificuldades e para que nossa vida seja uma vida prospera e saudável. Eles não estão aqui para serem cultuados, é o contrário.

Olodumare é um deus distante. Ele não é nosso deus exclusivo, é deus de tudo o que existe na terra de todas as criaturas. Para nos socorrer ele colocou os Orixás e é a eles que recorremos.

Para que o culto de nossa religião fosse um momento de felicidade e alegria e não um momento de sizudes e reclusão,  Olodumare estabeleceu no odu Oxeotua que o culto fosse repleto de felicidade e alegria. Desta forma as oferendas são comidas votivas que são feitas e divididas com toda a comunidade. Comida é vida e comer é em toda a humanidade um dos maiores lazer das pessoas.

Igualmente esta festa se complementa com canto e dança. os Orixás querem ser louvados com alegria e não com a cabeça baixa, os olhos fechados e a cara triste.

Desta maneira um Xirê é como uma missa, é o ponto alto da louvação aos Orixás, a Olodumare e à vida. Normalmente após dias ou semanas de liturgias internas em uma casa, sempre tudo se conclui com o Xirê, com a alegria e a distribuição de axé. 

É assim que os Orixas querem ser lembrados e cultuados para que isso nunca seja um peso para nós. Louvar os Orixás nos traz alegria e comunhão e assim não temso motivo para não fazer isso sempre. O conceito de felicidade nesta vida é completo.