Pesquisar este blog

segunda-feira, maio 06, 2013

Teologia Yorùbá

O Cosmo Yoruba - Parte 7

Olódùmarè – O senhor do destino


O nosso destino e vida também estão nas mãos dele. Antes de viajarmos do Órun (ọ̀run) para o Àiyé vamos a Olódùmarè pedir que ele confirme as coisas que planejamos para nossa vida. A Olódùmarè cabe confirmar o nosso destino final. No modelo Yorùbá existem 3 tipos de destino para cada pessoa. Um deles é o que Olódùmarè nos encarrega de cumprir.

É ele também que no fim de nossa vida é o juiz de nossas realizações. O modelo teológico Yorùbá estabelece um processo de julgamento que leva em conta nossas ações ao longo de toda a nossa vida. Não somos julgados o tempo todo e por qualquer ato. Lembre-se que todas as criaturas são criações de Olódùmarè, nada ou ninguém tem privilégios, de forma que, nosso julgamento se baseia no que acumulamos de realizações ao longo de nossa vida e somente ao fim dela, quando nos reapresentarmos no Órun (ọ̀run) à Olódùmarè, seremos julgados por ele e somente por ele. Ele é o juiz supremo.


Ele é o único juiz do nosso destino e de nossas realizações. A religião estabelece assim uma prestação de contas sobre nossos atos e realizações, mas, levamos a vida toda para construir esse julgamento. Nesse momento poderemos receber punições e, em casos mais extremos, ter o nosso status no Órun (ọ̀run) modificado em função de nossas realizações no Àiyé e do respeito que obtivemos de nossa família.


Se formos bem sucedidos na nossa vida do Àiyé, tivermos atingido nossos objetivos e também obtido o respeito e consideração de nossos parentes, amigos e sociedade, nos tornaremos um Ara Órun (Ara ọ̀run) respeitável. Estaremos em grande conta com Olódùmarè. Poderemos à partir do Órun (ọ̀run), e dessa nossa posição de destaque, ajudar e socorrer os seus familiares em sua vida no Àiyé. Eventualmente poderemos até ser divinizados e nos transformamos em um orixá (Òrìṣà), como já ocorreu com personagens importantes do povo Yorùbá.


A família é um valor muito importante na religião, tudo gira em torno dela e o conceito da ancestralidades e descendência determina toda a questão da reencarnação.


Fica bem clara, como mostrado, a diferenciação do modelo cristão de moral e pecado. A religião Yorùbá tem valores, ética e moral muito rígidos e retos, ligados a família e a vida em sociedade, mas não tem o modelo de pecado & punição que a religião cristã estabelece e as pessoas se acostumaram.


Ela esta igualmente equidistante do modelo de não ter pecado e nem ética que é erradamente pregado por pessoas ligadas ao Candomblé, como uma virtude. Essas pessoas confundem a sua própria falta de ética, decoro e valores morais com a religião que elas dizem professar e que de fato ignoram.


Mas, a quase infinita paciência de Olódùmarè tem limites. Se uma pessoa exagera nos erros de sua vida, se ela, de alguma maneira, se torna uma pessoa insuportável para a sociedade, poderá sofrer a ira de Olódùmarè e irá morrer. A ira vem através de alguns orixá (Òrìṣà) que tem esse poder de exercer a ira de Olódùmarè. São poucos os que assim o podem, Xangô (Sango) e Ómólu (omolu) são 2 deles. Orixá (Òrìṣà) não tira a vida ou traz a infelicidade para ninguém, exceto os casos citados.


Uma das características de nossa vida é o tempo que determinamos para ficar no Àiyé, vivos. Quando vamos a Olódùmarè pedir o nosso destino, estabelecemos também o tempo que vamos viver. Este tempo é o nosso compromisso com Olódùmarè. Caso venhamos a morrer antes porque provocamos nossa morte ou porque nos suicidamos, o compromisso com Olódùmarè já estava estabelecido e não voltaremos ao Órun (ọ̀run) antes desse tempo. Isso nos fará ficar vagando no Àiyé como um espirito perdido até que se cumpra o tempo que nos comprometemos a cumprir.


Entendo, por ilação, que esse tempo não valerá para os casos onde nossa morte for acidental, sem nosso controle, ou provocada por outros.


Entre as punições que podemos receber esta nos afastarmos de nossa linhagem familiar e a de voltar ao àiyé na forma de animais, formas menos nobres.




A SEGUIR:  A PRESENÇA DE OLODUMARE