Pesquisar este blog

domingo, novembro 04, 2012

A origem do nome  Apetebi (Apẹ̀tẹ̀bí)

A mulher em Ifá Parte 2

Apetebi, é um outro nome para as esposas dos Bàbáláwo. Os acontecimentos que envolveram o surgimento do nome estão registrados em um verso sob o Odù Obara Ogunda (Ọ̀bàrà ègún tán). O versículo diz assim:

Ọ̀bàrà ègún tán
A maldição esta encerrada
Fechando a porta com firmeza contra qualquer maldição futura
Eles são os que consultaram Ifá para o pilão
Eles são também os que consultaram Ifá Orunmila (Ọ̀rúnmìlà).
No dia em que estava embarcando em uma viagem de adivinhação para a casa de Àsedó 


Orunmila (Ọ̀rúnmìlà)recebeu uma mensagem de que ele devia embarcar em uma viagem a uma cidade chamada Àsedó. O rei da cidade o havia convidado para vir e fazer adivinhação para ele e para todos os habitantes. Na verdade, ele deveria ir e ficar com eles por um tempo como seu sacerdote-chefe de Ifá.

Como de costume, Orunmila (Ọ̀rúnmìlà), antes de começar a viagem, foi ao encontro com os seus sacerdotes que fizeram adivinhação para ele Nenhum outro Odù de Ifá foi visto que não Ọ̀bàrà Ògúndá. 


Os Bàbáláwo interpretaram os versos e disseram que ele estaria indo em uma viagem para um lugar distante. "Há muita boa sorte para você no caminho e no local para onde vai. Mas você deve oferecer sacrifício de modo que sua prosperidade tenha um aumento monumental em sua vida ", Assim os Bàbáláwo previram. "Quais são as coisas que eu devo oferecer? Orunmila perguntou. Centenas de ratos, centenas de peixes, aves e animais, disseram os Bàbáláwo.

Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) ofereceu o sacrifício e todas as coisas correram bem. Pouco depois, ele partiu para a terra de Àsedó. Ele já tinha viajado muito quando o céu ficou preto e as nuvens pesados de chuva. "Onde eu vou me abrigar? Eu não passei por qualquer aldeia, e a cidade que eu estou indo para é ainda uma longa distância ". Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) começou a correr na esperança de encontrar uma casa de fazenda para o abrigo. Enquanto ele corria ele sentiu cheiro de fumaça e tentou rastrear a sua fonte. Ele, então, viu uma pequena cabana e correu em direção a ela. Antes de cobrir metade da distância, a chuva começou e ele estava encharcado dentro de segundos, mas conseguiu chegar até a casa. Quando ele entrou, ele encontrou uma mulher muito bonita, iluminada somente pelo fogo do forno. Ela cumprimentou-o calorosamente e rapidamente tirou a carga da cabeça de Orunmila. De onde você vem para ter pego por este tipo de chuva?

Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) explicou a ela que ele estava indo para a cidade de Àsedó onde ele havia sido convidado pelo rei. Ela logo terminou sua culinária e ambos comeram com satisfação. "Onde estão os outros? Orunmila perguntou, notando que ninguém mais tinha aparecido no meio da densa floresta. Eu sou a única aqui, eu logo estaria deixando a casa para ir para a cidade ", disse ela. Orunmila (Ọ̀rúnmìlà), vendo isso como uma oportunidade, cortejou-a e desde que a noite já estava caindo e a chuva não acalmava ele resolveu ficar com ela até o dia seguinte. Durante a noite, eles fizeram amor apaixonadamente. Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) acordou cedo no dia seguinte para sair. Ele já estava tentando fazer perguntas pertinentes sobre ela e como eles poderiam encontrar novamente, quando ele percebeu manchas brancas em sua pele e seus dedos perplexo! "Ela é uma leprosa". Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) interrompeu a sua história e, segurando sua bolsa debaixo da axila, saiu correndo e foi para a cidade de Àsedó, sem sequer perguntar o nome da mulher.

Quando Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) chegou a Àsedó, ele começou a executar trabalhar com Ifá para o rei os habitantes de toda a cidade. Como ele estava realizando adivinhação e eles estavam oferecendo sacrifícios; os doentes eram curados, as estéreis foram se tornando mães e as crianças foram crescendo.

Em alguns casos, Ifá falou sobre suas filhas, que deviam ser dadas a um Bàbáláwo como esposas. As moças foram dadas em casamento a Orunmila (Ọ̀rúnmìlà).

Enquanto isso a mulher leprosa não sabia que Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) tinha visto sua pele leprosa. Poucos meses após o seu encontro, ela descobriu que estava grávida e ela não tinha feito sexo com nenhum outro homem.

Ela esperou notícias Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) por mais de dois anos. Ela já estava decepcionada e com raiva. Todas as manhãs, ela colocava água na frente de si mesma e fazia uma chuva maldições sobre o homem que a engravidou.

Enquanto isso Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) ficou na terra de Àsedó por muitos anos com suas novas esposas sem que qualquer uma delas ficasse grávida. Ele tentou todos os meios para isso e não adiantou.

É a mim mesmo que todas as mulheres tem vindo nesta cidade para ter filhos e todas elas ficam grávidas. Por que as minhas esposas são estéreis? Ele ficou tão envergonhado com isso que decidiu visitar um outro sacerdote Ifá.

Quando o Odù de Ifá foi lido para Orunmila (Ọ̀rúnmìlà), ele foi informado de que a incapacidade de suas esposas para engravidar foi devido a algum negócio inacabado em algum lugar.

"Há uma certa pessoa que está chovendo maldições sobre sua cabeça", o Awo disse a Orunmila (Ọ̀rúnmìlà).

E, a menos que a situação seja resolvida e as maldições removidas as suas esposas não irão engravidar ", concluiu ele. Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) não se lembrava da mulher leprosa, havia sido tão rápido e a tanto tempo, mas, ofereceu os sacrifícios prescritos pelo Bàbáláwo.

Ele ofereceu cada um das prescrições de IFA 16 vezes. Através dos meios de Olodumare que ninguém pode explicar, o sacrifício moveu a mulher de dentro da floresta densas, um dia depois de completar todos os sacrifícios, e ela foi para a cidade, segurando a mão da menina que ela tinha tido com Orunmila (Ọ̀rúnmìlà).

"Ele me disse que estava indo para a cidade de Àsedó. Deixe-me ir procurá-lo, pelo menos, eu serei capaz de reconhecê-lo ", pensou ela.

O mesmo sacrifício também fez sua vinda para coincidir com o dia em que o rei estava organizando uma festa para Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) por que estava prestes a partir para Òkè Ìgẹ̀tí, em Ilé Ifẹ̀. Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) caminhava ao lado do rei, acompanhado por centenas de outros sacerdotes a quem ele havia ensinado e iniciado para Ifá na cidade de Àsedó, os habitantes da cidade estavam dançando.

De longe, a mulher leprosa viu Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) acenando para toda aquela gente feliz. Ela reconheceu Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) como o pai de sua filha. Ela abriu caminho através da multidão até que ela ficou diante de Orunmila (Ọ̀rúnmìlà).

“O que você fez para mim é muito ruim ", disse ela, ao bloquear o caminho de Orunmila (Ọ̀rúnmìlà).

"Esta criança é o resultado da nossa relação sexual há dois anos".

Memórias passaram pela mente de Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) e ele rapidamente ligou a mensagem de seu Bàbáláwo com o encontro que teve com a mulher. Ele baixou a cabeça em pensamento. Os guardas avançaram para afastar a mulher, mas, Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) os parou.

“Por favor, levem na e limpem a para mim. É uma longa história ", disse ele para o desespero de todos.

Foi assim que Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) levou a mulher, incluindo a criança a Òkè Ìgẹ̀tí. Na chegada, ele chamou todos os Bàbáláwo de Ilé Ifẹ̀ para ajudá-lo a curar a mulher.

“Ela é minha mulher e isso é uma vergonha para mim e para o minha filha pequena, disse Orunmila (Ọ̀rúnmìlà). Dentro de um piscar de olhos os Bàbáláwo trouxeram diferentes tipos de medicamentos, akose, e muitas outras preparações.

Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) recolheu todos e usou-os de acordo com as prescrições. Milagrosamente, a lepra desapareceu e os dedos da mulher foram milagrosamente restaurados. No mesmo ano, todas as quatro mulheres que vieram com Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) da cidade de Àsedó ficaram grávidas.

Nove meses depois, todas elas tiveram crianças do sexo feminino. Desde que o filho da mulher anteriormente lepros era uma criança do sexo feminino, todos os cinco filhos cresceram juntos para se tornar adultos plenos. Orunmila (Ọ̀rúnmìlà) então chamou todos os Bàbáláwo, que, anos antes contribuíram com medicamentos e preparações, que culminaram com a cura da hanseníase.

"Tome, esta para si. Essa é a filha da mulher cuja lepra você ajudou a curar. Ela é sua nova esposa, a partir de agora, ele disse a eles, um após o outro. Eles são os Ọmọ ìyá tí a pa ẹ̀tẹ̀ bi (filhos resultantes da cura da hanseníase).


Este é o início do Apetebi (Apẹ̀tẹ̀bí) outro nome, dado às esposas de Babalawôs.


Esta história, além de explicar a origem do nome traz informações importantes. Observem que nada pode fazer Orunmila através de Ifá para resolver as maldições que a mulher jogava sobre ele. Observem também a forma como ela mandava essas maldições, usando agua, de manhã. Ifá permitiu que ele encontrasse a  mulher se solucionasse o problema da forma correta.

Como eu sempre ouço e repito para muitas pessoas, o pior feitiço é o feitiço da língua. Não tem trabalho no chão que supere as pragas ditas, principalmente por mulheres. Manifesta-se aqui a ligação com Oxun e com o poder de ajé que toda mulher tem.

Ifá ensina a quem sabe aprender.

Este assunto continua em novas postagens que se seguirão a esta.