Pesquisar este blog

quinta-feira, abril 11, 2013

Teologia Yorùbá

O Cosmo Yoruba - Parte 3

Erros de terminologia

A religião Yorùbá tem sido rotulada erroneamente de diversas formas. Eu quis iniciar afirmando inicialmente a questão de politeísmo e paganismo, porque, sem dúvida, é talvez a mais importante consideração, mas existem outros erros de terminologia que são usados. Eu vou desconsiderar perder o nosso tempo falando de fetichismo.

Idolatria

Esta e outras religiões não cristãs (sempre isso...) são pejorativamente rotuladas de idólatras ou idolatrias. Essa afirmação, sem dúvida, é feita em função do próprio tratamento que a religião judaica da a esta questão dos ídolos como uma expressão negativa. Uma das mais importantes passagens do livro Judeu descreve Moises quebrando a tábua dos 10 mandamentos porque os Judeus haviam se voltado para o cultos a seus antigos deuses com, Ídolos.

Ídolo é uma palavra que tem origem no grego eidõlon. É usada para significar a representação entre a não existência e a realidade, uma imagem copiada da coisa real, uma sombra da real existência. Literalmente a palavra é aplicada para formas, imagens ou fantasmas. Uma imagem na mente, uma ideia, um espectro ou fantasma do que é real.
Sem dúvida nenhuma, a palavra significa a representação no mundo real de uma coisa que não existe, que não é real e que é real apenas na mente humana.


O maior problemas com o emprego dessas terminologias é o uso das palavras sem se ater ao seu significado original. James Bisset Pratt, um ateu, autor de alguns livros de referência sobre religião, assume que qualquer religião que faça uso visual, material de objetos na sua cultura é uma idólatra, ou, ainda, o que uso intenso disso é idolatria.


Acredito que esta opinião influenciou muita gente.


Se formos nos ater a esta definição, de J.B.Pratt, todas as religiões são idólatras e a Católica, uma das maiores correntes da religião Abraâmica será completamente Idólatra, talvez a mais idólatra de todas. Além da parte risível dessa consideração, podemos usar o bom senso e questionar se, a palavra “idolatria” pode ser aplicada para descrever toda uma religião.


A maior parte das religiões que fazem uso de “ídolos” (objetos e imagens), apenas utilizam como uma referência para demarcar um espaço sacro. A presença de símbolos da religião, quaisquer que sejam, de imagens a figuras, em um local comum, para o crente torna aquele lugar diferente do lugar mundano, separa o espaço sacro do secular.


As imagens, símbolos e gravuras ou ídolos, como devemos também chamar, são um elemento na ritualística da pessoa se desligar do mundano e entrar no seu mundo sacro. Assim junto com velas, incensos, essências, rezas e mantras, vão compor a ritualística que permite a pessoa transpor da realidade para a transcendência.


Não podemos, jamais, afirmar que, hoje em dia, que pessoas ao se prostrarem ante seus símbolos estejam supondo que o sagrado, o divino esteja naquelas imagens e objetos. Uma coisa é você rezar para o divino na frente de uma imagem outra é você rezar para aquela imagem.


Nesta parte do texto ainda é um pouco prematuro, mas, acreditem que, independente da forma como vamos tratar o nosso entendimento sobre ídolos, que a religião Yorùbá não tem qualquer intimidade com qualquer definição de idolatria. Ídolos não fazem parte da religião, normalmente, quando existem, são objetos de decoração de espaços comuns. Se o objetivo fosse comparar, poderíamos dizer que, com certeza, a religião católica é Idólatra e a Yorùbá não o é, porque na primeira os ídolos são parte importante e primária do espaço sacro e na segunda isso nem existe.


Animismo


Certamente esta será a classificação mais comum de ser atribuída à religião Yorùbá. Por especialistas e não especialistas, mas, vamos seguir o mesmo caminho entendendo primeiro o que é Animismo.

Edward B. Tylor popularizou este termo, Animismo. No seu livro Culturas Primitivas Vol. I e II ele define animismo como a doutrina de almas e outros seres espirituais em geral. As palavras de Tylor são:


A teoria do animismo é dividida em dois grandes dogmas, formando partes de uma doutrina consistente. Primeiro, em relação a alma de criaturas individuais, capazes de uma existência continuada depois da morte, ou seja, destruição do corpo. Segundo em relação a outros espíritos que avançam para a posição de divindades poderosas, não ligadas as pessoas, mas, tendo uma existência distinta.... assim animismo em sua forma plena, inclui a crença em almas em um estado futuro, em divindades controladoras e espíritos subordinados.


Tylor também relaciona sonhos e visões ao animismo, como uma forma de a alma se separar do corpo, além de outras almas que podem visitar o seu corpo. A experiência de morte ou o pós-morte também ocupa as suas atenções.


O trabalho de Tylor é muito interessante, mas segundo destaca Idwou, as pessoas devem ler o trabalho inteiro, os 2 volumes de sua obra e não apenas o primeiro volume. 


Isso porque ao fim se entende que Tylor após fazer uma completa abordagem de evolução do animismo, sustenta que o animismo é um fator que esta presente em toda a religião, em toda as culturas e em qualquer nível de desenvolvimento. Ele fala do animismo dos selvagens e do animismo dos homens civilizados.


Uma das coisas mais instigantes do trabalho dele é a tese implícita do homem inventando a religião a partir de um estágio totalmente animista. Tylor não deixa claro se ele considera que o homem inventou a religião ou se as divindades existem no seu sentido absoluto antes dos homens as descobri-las. Ele sustenta que o antropormofismo é um fator predominante no animismo, no qual, inevitavelmente o homem deve pensar no todo e esta é a diferença entre as várias culturas, a medida e o nível do antropomorfismo.


O trabalho de Tylor, tomado por muitos como o patrono desta ideia, explica então que o animismo não esta limitado a uma cultura ou religião. Toda cultura e religião tem a presença do animismo em algum grau.


Em sua obra ele explica que a doutrina de almas da nascimento a doutrinas maiores onde os espíritos assumem proporções mais importantes e elevadas, deixando o escopo das pessoas para assumir um papel no mundo e nas forças naturais e ascendendo a existência de uma divindade suprema. Os espíritos passam do estágio de controlar pessoas ao de controlar a natureza e a vida a e fortuna do homem.


O politeísmo é, ou foi um estágio desse processo, assim como a busca pela unificação do divino levou a religiões monoteísta e Henoteístas como a prevalência da divindade suprema. Como citei ele não se posiciona se deus foi uma criação do homem ou o resultado da sua própria evolução e reconhecimento do divino.


Isso tudo é muito interessante, mas, em relação a religião Yorùbá, como outras religiões reencarnacionistas e que acreditam a presença do divina entre as pessoas através de seus médiuns, ele tem elementos animistas. Contudo, como definiu Tylor, animismo não pode ser aplicado unicamente para definir esta religião. A religião Yorùbá, como outras evoluiu para o conceito de uma divindade suprema e outras de nível intermediário.


Entre nós, a Umbanda, sem dúvida reúne as características de uma religião animista, visto que a sua prática pode ser apoiada em qualquer dogma religioso, seja com uma aproximação com o Yorùbá, como também o católico ou correntes orientais. O trabalho em si do culto esta baseado nos espíritos e a teologia religiosa é portável.


A SEGUIR:  A CULTURA ORAL