Pesquisar este blog

sexta-feira, agosto 07, 2020

Entendendo a religião Yoruba - Pt. 32 - O poder feminino

O poder feminino

Depois citar o Odù Oxétua (Ọ̀ṣẹ́tùwá) não tenho como não falar um pouco sobre o poder feminino. Esse tema vai voltar ainda em outros capítulos, mas, preciso complementar aqui.

No capítulo anterior ficou muito claro para todos que Olódùmarè dividiu o poder das divindades entre as masculinas e femininas, colocando o poder da ação nas divindades masculinas e o repositório do axé (àṣẹ) nas femininas. Esta definição é muito importante e já citei isso antes.

A seguir temos um trecho do Odù Ofun Mèjì, que mostra o poder de Odù, a mítica esposa de Órunmila (Ọ̀rúnmìlà). A combinação desse verso mais o verso de Òsá Méjì, já mostrado, deixa muito clara a prevalência do poder feminino e na mulher como a fonte e o repositório do axé (àṣẹ). Foi para as mulheres que Olódùmarè deu o axé (àṣẹ) e elas são assim imprescindíveis.

Olódùmarè dá o poder a odú

Nos versos a seguir de Òsá Méjì, vemos que Olódùmarè depois de dar poderes de realização aos Òrìṣà (Orixá) que enviou ai Àiyé dá um poder maior ainda a Odú e que ela prevaleceria sobre os demais Òrìṣà (Orixá) masculinos.

Os versos são extensos, mas tem que ser lidos, eles são a fonte de conhecimento e entendimento nesta religião.

Òsá méjì é rico.

Potente grito.

Barulho de sino (ajija) chega ao além.

Ifá é consultado para Odu,

no dia em que ela vem do além para a terra.

Ifá é consultado para Òbàrisà,

no dia em que ele vem do além para a terra.

Ifá é consultado para Ògún,

no dia em que ele vem do além para a terra.

Estes três chegam.

Entres eles somente Odu é mulher.

Odu diz, tu Olódùmarè.

Ela diz, assim vão eles na terra.

Ela diz, quando chegarem lá, como ficará?

Olódùmarè diz, eles irão para a terra, boa será a terra.

Ele diz, tudo o que eles quiserem fazer então, ele diz, ele lhes dará o poder, então tudo ficará bem.

Ògún caminha na dianteira.

Quando Ogún caminha na frente deles, Òbàrisà segue. Quando Òbàrisà segue, Odu vem após.

Quando Odu vem após, ela volta atrás.

Ela diz, tu Olódùmarè.

Ela diz, a terra para onde eles assim vão.

Ela diz, Ògún,

ela diz, tem o poder dos combates, ela diz, ele tem o sabre, ele tem o fuzil,

ela diz, ele tem todas as coisas para fazer a guerra.

Ela diz, Obàrisà,

ela diz, ele também tem o poder.

Ela diz, com o poder que ele tem, ela faz tudo o que quiser.

Ela diz, é mulher entre eles, ela é Odu.

Ela diz, que poder é o seu?

Olódùmarè diz, qual é teu poder?

Ele diz, tu serás chamada, para sempre, mãe deles.

Ele diz, porque quando todos os três partistes, ele diz, tu a única mulher retomaste.

Ela diz, a ti, esta mulher, é dado o poder, que faz dela mãe deles.

Ele diz, tu, tu susterás a terra.

Olódùmarè lhe confere este poder.

Ao lhe conferir o poder, ele lhe confere o poder do pássaro, ele lhe dá o poder de eleye (ẹlẹyẹ) (proprietária do pássaro).

Quando ele lhe deu o poder de eleye, Olódùmarè diz, está bem. Ela diz, esta cabaça de eleye que ele lhe deu, ele diz, conhecerá ela seu emprego na terra?

Ele diz, que ela conheça seu emprego na terra.

Odu diz, ela o conhecerá.

Ela recebe o pássaro de Olódùmarè.

Então ela recebe o poder que ela utilizará com ele.

Ela parte.

Ela está na iminência de partir.

Olódùmarè a chama para que ele volte novamente.

Ele diz, está bem.

Ele diz, retorna.

Ele diz, tu Odu, ele diz, retorna.

Ele diz, quando ela chegar à terra, ele diz, como irás utilizar teus pássaros, e as forças que ele lhes deu?

Ele diz, como irá ela utilizá-los?

Odu diz, todos aqueles que não lhe tiverem dado ouvidos, ela diz, ela os combaterá com os pássaros.

Ela diz, aqueles que não vieram pedir-lhe uma indicação,

(aqueles) que assim fizeram,

que não ouvirem tudo aquilo que ela disser,

ela diz, ela os combaterá.

Ela diz, aquele que dela se aproximar para pedir ter dinheiro, ela diz, ela lhe dará.

Ela diz, aquela que pedir-lhe para gerar

ela diz, ela o concederá.

Ela diz, se tivesse dado dinheiro a alguém, se, em seguida, ele se mostrasse impertinente para com ela, ela diz que o tomaria de volta.

Ela diz, se tivesse dado um filho a uma pessoa, se, em seguida, ela se mostrasse impertinente para com ela, ela diz que o tomaria de volta.

Ela diz, tudo aquilo que ela fizer por alguém, se, em seguida, ele se mostrasse impertinente para com ela, ela diz que ela o tomaria de volta.

Olódùmarè diz, está bem.

Ele diz, nada mau.

Ele diz, utiliza com calma o poder que te conferi.

Se ela o utilizasse com violência, ele o tomaria de volta, e de todos os homens que te seguirão, faço de ti a mãe deles.

Toda coisa que agradar-lhes fazer, é coisa que deverão anunciar a ti, Odu.

A partir de então Olódùmarè conferiu o poder à mulher, porque aquele que então recebeu o poder se chamava Odu.

Ele dá às mulheres o poder de dizer tudo aquilo que lhes agradar.

Sozinho o homem nada poderá fazer na ausência da mulher.

Odu chega à terra.

Quando chegam juntos à terra,

em todas as florestas que vêem, que eles chamam a floresta de Eégún, a mulher

entra nelas.

Aquela que eles chamam a floresta de Orò, a mulher entra nela.

Naquele tempo não havia proibição alguma 0 para que a mulher não ousasse entrar em floresta alguma.

ou para que uma mulher não ousasse entrar em nenhum pátio dos fundos.

Se eles querem adorar Eégún, se querem adorar Orò, se querem adorar todos os Òrìṣà (Orixá),

a mulher os adora naquele tempo.

Quando assim realizam o culto,

Ah! a antiga (àgbà) exagerou, ela caiu em desgraça.

Ifá é consultado para Odu, quando Odu chega à terra.

Ei! Dizem eles, tu Odu, eles dizem, ela deve agir com calma, que ela tenha paciência, que não seja imprudente.

Odu diz, por quê?

Eles dizem, por causa do poder que Olódùmarè te deu, eles dizem, para que as pessoas não saibam a razão disso.

Odu diz (Ora essa!)

Ela diz, não é nada disso.

Ela diz, eles não são capazes de conhecer o motivo

Ela diz, somente ela foi junto de Olódùmarè.

Receber o poder não foi na presença dos outros que chegaram à terra com ela, não foi de modo algum na presença deles.

Quando assim falaram a Odu, disseram-lhe que ela faça oferendas.

Odú diz, de modo algum!

Ela diz, ela não fará oferendas.

A oferenda para que a mulher receba o poderio junto a Olódùmarè, ela a fez. Mas ela não deve rejubilar-se exageradamente.

Ela é capaz de utilizar essas coisas durante muito tempo.

As pessoas não podem estragar aquilo que ela tem nas mãos.

As pessoas não podem conhecer os motivos de sua força.

Ela não fará oferendas.

Ela parte.

Ela põe para fora (a roupa de) Eégún.

Ela faz Orò sair para fora.

Todas as coisas, não existem coisas que ela não faça, naquele tempo.

Òbàrisà vem, ele diz, hein!

Ele é aquele a quem Olódùmarè confiou a terra.

Esta mulher enérgica quer tomar a terra, e o pátio dos fundos (lugar do culto) àe Eégún, e o pátio dos fundos de Orò, e o pátio dos fundos de todos os Òrìṣà (Orixá).

(Ele) não ousa entrar em nenhum deles.

Ah! esta mulher vem tomar a terra.

Òbàrisà vai consultar (um) babaláwo.

O babaláwo a quem ela vai consultar,

É Órunmila (Ọ̀rúnmìlà) quem é consultado por ele naquele dia,

É exatamente Órunmila (Ọ̀rúnmìlà) que ele vai consultar.

Ele diz que Órunmila (Ọ̀rúnmìlà) examine, que diz o oráculo?

Eis a mensagem enviada por Olódùmarè:

Sustentará ele o mundo em suas mãos?

Ele transmite a mensagem com sucesso.

Ninguém pode tomar o mundo em suas mãos.

O mundo não será estragado.

Como será ele capaz de ser vitorioso?

Ele consulta Ifá.

Eles dizem que Òrìṣà (Orixá) deve fazer oferendas.

Eles dizem que então ele deve ser paciente.

Naquele tempo Órunmila (Ọ̀rúnmìlà) escolhe a oferenda de caracóis.

Ele escolhe um chicote.

Ele escolhe 8 shillings.

Òrìṣà (Orixá) faz a oferenda.

Quando Òrìṣà (Orixá) fez a oferenda.

Órunmila (Ọ̀rúnmìlà) consulta Ifá para Òrìṣà (Orixá).

Ele diz, esta terra se tornará sua, ele diz, mas ele deve ter paciência.

Ele diz, se ele tiver paciência,

ele diz, a adoração se tornará sua.

Ele diz, aquela que enfeixa o poder da mulher, ele diz, ela vai exagerar.

Quando ela tiver exagerado,

ele diz, ela se tomará tua serva, Òrìṣà (Orixá),

ela virá submeter-se a ti.

Òrìṣà (Orixá) compreende, ele terá paciência.

Todos os hábitos, os bons, os maus,

que Odu mostra na terra,

com o poder que Olódùmarè lhe conferiu.

Se ela diz a alguém para não olhar seu rosto, se ele olha o rosto, ela o deixa cego.

Se ela diz que o olhar de alguém na pessoa dela é mau,

se ela diz que essa pessoa tenha dor de cabeça, ela terá dor de cabeça,

se ela diz que essa pessoa tenha dor de barriga, ela terá dor de barriga.

Todas as coisas que Odu diz, naquele tempo, se realizam.

Quando chegou o tempo, Odu diz, tu Òrìṣà (Orixá), ela diz, quando eles chegaram juntos à terra, ela diz, que ela e ele vão a um único lugar.

Ela diz, se estivermos em um único lugar, ela diz, tudo aquilo que ela quisesse fazer, ela diz, ela teria a oportunidade de deixar-te, Òrìṣà (Orixá), ver tudo aquilo que ele fará.

Ela diz, porque com ele, e Ògún, caíram juntos do céu.

Ela diz, mas eles escolheram Ògún para ser guerreiro.

Aquele que queria fazer-lhes a guerra,

Ògún triunfará sobre ele.

Odu com Òrìṣà (Orixá) devem morar em um único lugar.

Ao lugar para onde vêm juntos, eles moram em um único local.

"O caracol que Òrìṣà (Orixá) ofereceu,

Òrìṣà (Orixá) o pega, adora sua cabeça com ele.

Òrìṣà (Orixá) adora sua cabeça com o caracol no lugar onde ele mora.

Quando Òrìṣà (Orixá) terminou a adoração, então bebe a água (contida na concha) do caracol. Quando ele bebeu a água da (concha) do caracol.

Ele diz, tu Odu, também queres beber?

Diz Odu, não tem importância.

Odu recebe a água de caracol para beber.

Quando Odu bebeu a água de caracol, o ventre (o humor) de Odu se acalma.

No lugar onde seu humor se acalma, ela diz, ah! ela diz, tu Òrìṣà (Orixá),

ela diz, ela conhece através dele uma coisa deliciosa de se comer.

Ela diz, a água do caracol é doce, o caracol também é doce?

Quando terminou de comer, ela diz, isto é bom.

Nunca lhe deram coisa tão boa de se comer quanto o caracol.

Ela diz, o caracol é o que se deve dar a ele para comer.

Ela diz, exatamente o caracol que tu, Òrìṣà (Orixá), comes, ela diz, devemos dar a ele.

É inequívoco que Olódùmarè conferiu o poder do axé (àṣẹ) para a mulher. Ela detêm uma enorme capacidade e estes versos mais os anteriores deixam isso muito claro. Mais à frente vou tratar do culto de Ogboni e vou juntar os aspectos masculinos e feminino, tenham atenção quando eu fizer isso.

Contudo chamo a atenção para o aspecto descontrolado do arquétipo feminino. As mulheres nesta religião ganharam poder e são essenciais, mas, são retratadas de forma muito negativa.

Iradas, vingativas, traiçoeiras, levianas, mentirosas e com pouco bom senso, não respeitando regras e tradições. Esse é o arquétipo que encontramos em Ifá para a mulher.

Nenhum comentário:

Postar um comentário