Pesquisar este blog

domingo, agosto 19, 2012

A fé e a mudanças de casa


Para aqueles com acompanham, desculpem a longa ausência. Uma série de compromissos, pessoais e profissionais tomara a prioridade de escrever o blog. Vou tentar retomar com ritmo, qualidade e conteúdo.

Ha tempos gostaria de abordar algumas questões relativas ao dia a dia das pessoas que seguem a religião de Orixá.  Um deles é a continua mudanças de casas.

Hoje em dia as pessoas trocam a casa que frequentam como trocam de camisa. Os motivos são muito variados e não quero aqui desfiar um enorme rol de indicações do que leva um frequentador a sair de uma casa. Normalmente apenas se acusa o dirigente e para isso encontram-se muitos motivos impublicáveis.

Entretanto as pessoas trocam de casas por qualquer coisa, de aborrecimentos com colegas a divergência sobre métodos. No geral toda essa movimentação é um absurdo e antes que se coloque a culpa apenas no dirigente eu gostaria de chamar a atenção para vários outros aspectos.

Em primeiro lugar, falando do dirigente, antes de entrar em uma casa você deve avaliar a pessoa com quem esta se envolvendo. Avalie tudo. A classe social dela, a educação social dela, a educação formal dela, o comportamento, a aparência, a orientação sexual, etc..  Avalie tudo porque você deve saber muito bem onde esta entrando.

As pessoas são assim na vida real. Todo mundo se preocupa com os lugares que frequenta e também com quem frequenta esses lugares. Você procura lugares que estejam de acordo com sua vida, seus gostos e amizades.  Deve fazer o mesmo em uma casa religiosa. Esta será uma decisão importante.

Mas depois de avaliar, tudo, tudo mesmo, não se comporte como um arrependido ou enganado. E não sai falando mal do lugar onde esteve. Se você não avaliou nada e entrou em uma casa achando que deus estava te guiando, você é um mentiroso, um otário ou um maluco. Ninguém faz isso.

Uma proporção muito maior de pessoas que saem falando mal de casas e pessoas basicamente olharam apenas para o próprio umbigo ao decidirem entrar na casa ou na religião. Normalmente são pessoas que queriam comprar obrigações e status e apenas estavam procurando alguém que cobrasse pouco.

Uma vez que você entrou na casa a sua obrigação é ficar e seguir as regra da casa. Uma religião é um poço de tradicionalismo e um paraíso das regras. 

As pessoas hoje em dia são incentivadas a questionar tudo. Se acostumaram a achar que tudo pode ser questionado e tudo pode ser mudado. Religião não é assim. Pior, são incentivadas a questionar a autoridade das pessoas, buscando lógica e razão em cada decisão.

Uma religião não é assim. As regras estão lá para todos. Não são para serem questionadas, apenas aprendidas e seguidas. Autoridade é uma constante e a hierarquia é sagrada.  Se você não gosta disso não entre e não faça parte. Fique em casa vendo televisão.

Eu digo que pouca gente tem condições de frequentar uma casa de orixá. Mas as que de dispuserem vão aprender uma nova visão de vida. Vão ter que aprender coisas que não são obrigadas na sua vida laica. Isso vai fazer delas pessoas melhores na sua família e também no seu trabalho.

Um caso muito sério é o das pessoas que se tornam médiuns de uma casa (umbanda) ou Iyawo (candomblé). Essas pessoas assumiram em níveis diferente compromissos com o supernatural e nenhuma delas pode dizer que não sabia disso.

O caso do Candomblé é mais sério. Ao se iniciarem elas assumem um compromisso de no mínimo 7 anos com 3 obrigações nesse período. Pior, elas se ligam energeticamente aquela casa. Isso vai estar acima de tudo durante este período.  Mudar de casa é não acreditar em nada disso, basicamente não acreditar na liturgia de sua religião.

O que todos devem lembrar é que uma casa de Candomblé é um lugar para a pratica da religião delas. Elas não estão la para parecerem bonitas e para obterem favores. Elas estão lá para praticar a fé delas em um lugar onde outras pessoas o fazem

É isso o que deve levar uma pessoa a frequentar uma religião.