Pesquisar este blog

domingo, junho 14, 2015

Cerimonias sociais



O catolicismo estabeleceu em nossa sociedade a prática de algumas cerimônias sóciais, que são de fato, liturgias da Igreja católica, todas elas importantes e internas, mas que se transformaram também em eventos sociais importantes na sociedade, tão importantes que a nossa sociedade se identifica com eles e os considera essenciais.

Fica mais para o final a discussão deste último aspecto.

Isso sem dúvida foi muito bom, para o catolicismo, na medida em que aproxima toda a sociedade da prática da religião. O que podemos considerar como extraordinário nos católicos é que eles transformaram as 2 principais cerimônias sociais, o Batismo e o Casamento, que são fundamentos importantes desta igreja como eventos públicos e parte integrante de nossa sociedade.

Quando eu digo extraordinário é devido a um aspecto que as pessoas pouco percebem ou conhecem da igreja católica, que é o fato de ela ser totalmente INICIÁTICA. Isso mesmo, como a religião Yorùbá, o catolicismo marca seus crentes com iniciações. Ela não é uma religião do tipo que, você está passando na porta da igreja e entra e reza. O catolicismo inicia as pessoas. Você só é considerado membro e praticante se tiver passado pelos ritos iniciáticos e não passar por ritos prévios inviabiliza ritos seguintes.

Dessa forma, jamais será casado se não tiver sido previamente batizado, quiçá no futuro se não for crismado. Você não pode ser padrinho de batismo se não foi crismado. Muitos se revoltam com exigências, mas, essas pessoas não percebem que estamos tratando de uma religião iniciática e não de um culto aberto e social.

Sem dúvida a igreja católica foi muito bem-sucedida no sentido que se inseriu visceralmente dentro da sociedade de uma forma tal que a sociedade a reconhece como religião verdadeira e reconhece seus ritos iniciáticos como primordiais para a sua própria vida social.

A igreja está certa, aproveitou o seu tempo de supremacia.

Muitos criticam a religião Yorùbá por suas obrigações e regras sem perceberem que já estão convivendo diariamente com outra religião igualmente iniciática e com a mesma estrutura, seja por obrigações ou por hierarquia.

Desta maneira as cerimônias sociais que listei são ritos litúrgicos internos da igreja católica, que são executados da forma como devem pela igreja, mas, são feitos de uma maneira pública, envolvendo e integrando a sociedade. São tão fortes que viraram referência e as pessoas procuram nas demais religiões os mesmos ritos, como se fossem natural.

A sociedade esta errada? Não, isso é cultura, as cerimônias viraram partes dela.

Mas, quando nós, religioso tratamos disso temos que ter cuidado.

Cada religião tem sua estrutura iniciática e teologia. Cada uma vê o mundo de uma maneira distinta, ou melhor, cada uma propõe uma forma distinta para você entender a sua vida. Este é o grande sentido de uma religião, estabelecer uma proposta filosófica para guiar a sua vida, com objetivos, metas, princípios e valores.

Por serem na verdade liturgias internas da religião, não será automático ou natural você encontrar em religiões diferentes as mesmas liturgias, lembrem-se as propostas são diferentes e liturgias são fundamentos religiosos.

A igreja católica foi muito bem-sucedida, como já expliquei em tornar suas liturgias em cerimônias sociais como se toda a sociedade fosse católica. Ela inseriu na cabeça de todos o seu formato, seus dogmas e suas teses teológicas. Mérito deles, afinal isso não faz mal as pessoas, contudo isso gera um problema para as demais religiões, ou melhor para as pessoas porque elas esperam encontrar em outra religião que elas escolham a mesma coisa.

Não vão!

Claro, são religiões diferentes e com forma distinta de ver o mundo e a vida.

Vamos exemplificar, na medida do possível para que esse ponto fique entendido. Não posso falar por todas as religiões, de maneira que vou me manter no binômio católico-Yorùbá .

O casamento. Sem dúvida é um grande evento social e religioso na igreja católica. Toda mulher sonha em ser noiva e sonha em entrar na igreja vestida de noiva, com tudo o que tem direito. O casamento é um grande laço e compromisso, segunda a igreja católica, é para sempre, o que deus uniu ninguém mais separa.

Esta cerimônia religiosa não existe na religião Yorùbá. Isso mesmo, vou repetir, não existe. O casamento é uma grande festa na sociedade Yorùbá, tem vários ritos e um formato elaborado, mas, não tem sentido religioso, não existe a coisa de “...que até deus os separe...” a participação religiosa na cerimônia tradicional Yorùbá é um detalhe.

Digo isso porque eu pesquisei e sei exatamente como é essa cerimônia. Como disse é uma cerimônia social, com pompa, mas social.

Decepcionado? Lamento.

Volto ao princípio, a igreja católica foi muito bem-sucedida em transformar suas liturgias internas em cerimônias sociais e isso entrou na cabeça das pessoas. Dessa forma a sociedade Yorùbá tem uma cerimônia tradicional (social) de casamento, com diversos ritos e um formato bem típico para eles, mas a religião Yoruba não tem isso. A participação dela é acessória, junto com outros elementos.

O Candomblé tem casamento? Não. 


Por que? O casamento sob sentido religioso não tem base na religião Yorùbá, 2 pessoas não se unem sob a tutela da religião. O casamento é uma cerimônia civil, da sociedade. Desta forma, não cabe a um Babalorixá ou Iyalorixá do Candomblé executarem uma cerimônia de casamento, não no formato que é feito no catolicismo, não existe laço a ser estabelecido.

Lembram o que eu disse? Liturgias e ritos de passagem de uma religião não encontram reflexo direto em outras, devido às religiões terem filosofias diferentes e dogmas distintos?


Quando a gente estuda ou apenas entende o que uma religião representa na vida das pessoas isso fica claro, Quando a gente vive achando que a religião católica é a única e as demais são seitas isso fica diferente, mais difícil de entender. Fica mais difícil ainda se a gente mistura os ritos sociais (ou laicos) com os ritos religiosos (ou sacros).

Não se pode buscar em uma religião a mesma cerimônia ou formato de outra porque cerimônias e liturgias estão baseadas em dogmas e fundamentos da religião e determinados ritos podem não ter sentido. Quando eu falar de batismo vou reforçar isso.

Dessa forma, na visão da religião Yoruba não existe casamento. Isto é uma união civil. Contudo não é um evento menos importante por ser apenas um evento civil, pelo contrário, é carregado de significados, passos e responsabilidades!


Como entender as pessoas que fazem casamento em Candomblé, como eu já vi em vídeos?

Entenda como quiser. Eu já disse que não tem. O que essas pessoas fazem é, primeiro não entender da sua religião, não entender de teologia da sua própria religião, ai eles copiam uma liturgia de outar religião e transformam em uma coisa deles inventando ritos e simbolismo.

Está cheio de gente mal-informada e despreparada se dizendo sacerdote de religião. A pessoa aprende a fazer ebó e dedica a sua vida a atender clientes. Ela se autodeclara tendo um título e um conhecimento que não tem. Essas pessoas que atendem clientes não necessariamente são sacerdotes e conhecem sua religião.

Mas o que fazer então?

Claro que temos que nos adaptar, a sociedade incorporou ritos religioso como ritos sociais e temos que responder a isso, mas não se faz isso dessa forma boba como se está fazendo, copiando o que outras religiões fazem.


É necessário algum esforço para se buscar uma forma de harmonizar o que a religião pode oferecer com o que a sociedade demanda. Em termos de casamento, temos que entender que existe um rito social laico bastante importante e que marca e união das pessoas. Podemos adicionar a este contexto algumas idéias e inserir uma participação religiosa no contexto.

No próximo post, logo a seguir, eu vou dar um exemplo sobre o batizado, depois comento sobre outras.